Cazuza – Mostra Sua Cara

"Eu sofro por um cão, mas não por um coração. Faz parte da minha natureza."

(Cazuza)

Pela primeira vez o Museu da Língua Portuguesa homenageou um músico por sua contribuição literária, em uma exposição temporária. Com muita irreverência, Cazuza escreveu poesia e levou seus ideais ao grande público por meio da música.

Entre as atrações da exibição havia um caraoquê onde o visitante podia cantar dois dos maiores sucessos do cantor.  Fotografias, trechos de música, vídeos com entrevistas em diversos momentos da trajetória do artista e objetos pessoais como a bandana vermelha e os óculos de sol, que eram algumas de suas marcas registradas, compunham um panorama da vida e obra do artista.

A mostra permitiu ao visitante, conhecer a música de Cazuza, os artistas que o influenciaram, além de assistir a vídeos onde especialistas e amigos deram seus depoimentos sobre a vida e a carreira do ex-líder do Barão Vermelho.

A curadoria da exposição foi de Gringo Cardia que, usando de tecnologia e interatividade, levou ao museu o espírito contestador e rebelde do artista, criando um paralelo com as manifestações de rua que estavam ocorrendo pelo país em 2013.

Cazuza não gostava de ser chamado de poeta, ele se considerava apenas um músico. Mas as reflexões políticas e sociais em suas obras reverberaram por algumas gerações e continuam ilustrando a realidade atual.

Curiosidades

O nome de batismo de Cazuza era Agenor de Miranda Araújo Neto
O cantor estudou fotografia nos EUA e adorava fotos em preto e branco
Ney Matogrosso foi o primeiro cantor a gravar uma música de Cazuza, a canção “Pro Dia Nascer Feliz