Museu da Língua Portuguesa leva extensa programação cultural a Lisboa

A exposição itinerante “A Língua Portuguesa em Nós”, que será inaugurada em 06 de outubro no MAAT (Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia), no edifício da Central Tejo, em Lisboa (Portugal), será acompanhada por extensa programação cultural. A lista de atividades que serão realizadas na capital lusitana inclui mesa literária, oficinas, workshops e apresentações de filmes, com ações especialmente pensadas para o público jovem.

A exposição “A Língua Portuguesa em Nós” carrega parte do acervo do Museu da Língua Portuguesa, que atualmente está em reconstrução em São Paulo. Em 2018, o material passou por Angola, Cabo Verde e Moçambique e foi montado no Brasil, na 16ª edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty).

“A Língua Portuguesa em Nós” em Lisboa é uma iniciativa do Itamaraty, em parceria com a Fundação Roberto Marinho e o Museu da Língua Portuguesa, com organização da EDP, da Fundação EDP e apoio do Ministério da Cultura Portuguesa, do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, do Instituto Camões, da Embaixada do Brasil em Lisboa e da CPLP.

Confira a programação cultural da exposição “A Língua Portuguesa em Nós” em Lisboa (horários locais):

06/10 – 16h
Mesa literária: Jogo de Imitação
Autores: Bruno Viera do Amaral, Golgona Anghel e Luís Cardoso de Noronha
Mediação: José Mário Silva
Numa comunidade formada por nove países em que o português está em contato com mais de 300 línguas autóctones, como a literatura faz e desfaz os seus nós? O confronto dos repertórios linguísticos, temáticos e estéticos permite traçar as afinidades, influências ou contrastes no cenário literário de língua portuguesa. Com autores que incorporam nas suas obras referências ao vasto universo cultural dessa comunidade, o encontro discute o impacto que autores de um país exercem sobre os de outros e os processos de metabolismo ou de rejeição de elementos alheios.

07/10 – 11h
Oficina famílias: se joga ao jogo de jogar, joga-te ao jogo de jogar com palavras
Monitor: André Teixeira Franco
Idade: dos 5 aos 10 anos + acompanhantes
Lotação máxima: 12 pessoas
Jogos com a língua portuguesa, poemas e trava-línguas. As atividades desenvolvidas incentivam as crianças a descobrirem a diversidade da língua portuguesa como, por exemplo, as diferentes denominações para o mesmo objeto nos países de língua portuguesa (autocarro, ônibus, machimbombo, candongueiro) e as expressõs populares de cada geografia.

07/10 – 16h
Para jovens: Workshop de ready-mades, criação literária baseada na apropriação de palavras alheias. Com João Concha, editor, arquiteto, ilustrador.
Duração 60 minutos
Idade recomendada: 14 a 16 anos
Máximo de inscritos: 25

Noção geral do conceito de ready-made, as principais influências desse movimento e de sua relação com as técnicas atuais, como as digitais, na radicalização da experiência com a linguagem. Em seguida, os participantes produzem seus próprios trabalhos.

11/10 – 18h30
Cine CPLP
Exibição do filme “O dia em que explodiu mabata bata” (Moçambique)

13/10 – 16h
Mesa literária: Gramática do devaneio
Autores: Ana Kiffer, Dulce Maria Cardoso e José Riço.
Mediação: Mariana Oliveira

Desejos, fantasias, medo, culpa, pulsões de vida e de morte atravessam a literatura dos convidados dessa mesa. E como tratam esses temas? Com as vísceras expostas da linguagem, instaurando um novo léxico? Os autores vão analisar aqui como apresentam ou representam a descida às zonas do corpo e do consciente dos seus personagens sem cair nas armadilhas da condenação moral ou do registro abjeto.

14/10 – 16h
Sessão de leitura (close-reading)
Com o poeta, professor e crítico literário António Carlos Cortez
Duração: 60 minutos
Máximo de inscritos: 25
O autor irá debruçar-se sobre cinco poemas de autores de Portugal, Brasil, São Tomé e Príncipe e Moçambique. Após a leitura, segue-se o comentário a cada poema lido. No fim da sessão haverá música, para que o público possa comparar como a apropriação musical da poesia pode revelar aspectos menos óbvios dos sons e sentidos dos poemas.

Os poemas:” João Cabral de Melo Neto (Brasil) – “Os três mal amados”; Gastão Cruz (Portugal) – “Dentro da vida”; Conceição Lima (São Tomé e Príncipe) – “A mão”; Mbate Pedro (Moçambique) – “Querem-me à guerra” e Francisco Sá de Miranda (Portugal) – “Comigo me desavim”.

15/10 – 11h
Oficina famílias: se joga ao jogo de jogar, joga-te ao jogo de jogar com palavras
Monitor: André Teixeira Franco
Idade: dos 5 aos 10 anos + acompanhantes
Lotação máxima: 12 pessoas
Jogos com a língua portuguesa, poemas e trava-línguas. As atividades desenvolvidas incentivam as crianças a descobrirem a diversidade da língua portuguesa como, por exemplo, as diferentes denominações para o mesmo objeto nos países de língua portuguesa (autocarro, ônibus, machimbombo, candongueiro) e as expressõs populares de cada geografia.

15/10 – 15h
A língua portuguesa “entre gente remota”

15/10 – 15h30 às 17h – Painel 1
Crioulos de base portuguesa: génese e geografia
Hugo Cardoso (Universidade de Lisboa)

15/10 – 17h30 às 19h – Painel 2
Os mo(vi)mentos da língua: práticas e lugares da língua em contextos da diáspora portuguesa, às 17h30
Maria Clara Keating (Universidade de Coimbra)

A emoção da língua: o português como elo identitário e cultural nos círculos da emigração
Elsa Lechner (Universidade de Coimbra)

18/10 – 18h30
Cine CPLP
Exibição do filme “O Calvário de Joceline” (Angola)

20/10 – 16h
Cine CPLP, seguido de debate
Com Cláudia Clemente
Exibição do filme “O dia em que as cartas pararam” (Portugal). A autora e realizadora fala da experiência de transpor o livro para a linguagem cinematográfica, as perdas e ganhos nesse processo e o impacto na recepção das duas obras.

21/10 – 16h
Cine CPLP, seguido de debate
com Léa Teixeira. Mediação de Ana Sousa Dias.

Exibição do filme “A felicidade de Margô” (Brasil). Panorama da produção e co-produção cinematográfica no espaço lusófono. Léa Teixeira falará sobre a captação de apoios para o Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, estratégias de alargamento do circuito de exibição, de atração do público e dos principais resultados e desafios do setor de audiovisual e do recorte em torno da língua.