Visita do governador Geraldo Alckmin ao Museu da Língua Portuguesa marca finalização do restauro das fachadas

Governador Geraldo Alckmin acompanha vistoria e reativação do relógio, que também foi restaurado; reconstrução da cobertura e áreas internas continua em andamento.

Na manhã desta quarta-feira (6), o governador Geraldo Alckmin visita as obras de restauração do Museu da Língua Portuguesa, marcando a conclusão do trabalho nas fachadas e esquadrias. Também restaurado, o tradicional relógio da torre da Estação da Luz será reativado. As obras agora avançam para uma nova etapa: a reconstrução da cobertura do Museu e a restauração dos pátios e seus torreões. A obra está dividida em três etapas: após o restauro das fachadas (concluída) e da reconstrução da cobertura do edifício, restauro dos pátios e torreões (iniciada em setembro de 2017, agora em andamento), será realizada a obra do interior do prédio. Por último, terá início a instalação da museografia.

A nova cobertura conserva a volumetria externa do edifício e ganha nova configuração em seu interior: as peças de madeira serão combinadas a cabos de aço na sustentação do telhado, que vai ser revestido com zinco, garantindo a leitura contemporânea desta intervenção no edifício, reconhecido como patrimônio histórico nacional. Será utilizada madeira certificada da Amazônia, atendendo às exigências de sustentabilidade do projeto, uma vez que o Museu da Língua Portuguesa pretende obter certificação internacional para construções sustentáveis.

“Participar do ressurgimento de um dos principais espaços da gestão estadual de cultura é um dever e um privilégio. A celebração da nossa língua, da nossa cultura, da nossa história é fundamental para o necessário sentimento de nação. Outro dado importante é o uso de madeira certificada na cobertura, garantindo a sustentabilidade da obra”, afirma o secretário da Cultura do Estado, José Luiz Penna.

O uso da madeira em grandes espessuras na cobertura é uma recomendação dos bombeiros e de especialistas, pois o material resiste melhor a incêndios do que estruturas metálicas – em caso de exposição a fogo, apenas a camada externa das peças é afetada, o que garante que a estrutura resista por mais tempo. Essa característica ficou comprovada no incêndio que atingiu o museu, em dezembro de 2015, quando a estrutura do telhado resistiu, e as peças de madeira, depois de recuperadas, puderam ser reaproveitadas.

Datada de 1946, a madeira da cobertura queimada (peroba do campo) foi utilizada na restauração das esquadrias e fachadas. Cerca de 85% da madeira necessária para a recuperação das esquadrias foi reutilizada do material já existente no edifício: dos 20m³ de madeira necessários para a restauração das esquadrias, 17m³ vieram da cobertura original do prédio.

O redesenho interno da cobertura traz mais leveza e visibilidade ao ambiente do 3º andar do Museu, também com o objetivo de evidenciar a intervenção – seguindo os princípios de intervenção em bens tombados, o visitante poderá reconhecer de imediato as temporalidades existentes no mesmo edifício.

O projeto de reconstrução da cobertura, assim como o das fachadas, também contempla ações de conservação da cobertura da Ala Oeste, que não foi atingida pelo incêndio, de forma a garantir a integração de todo o edifício.
A reconstrução foi aprovada pelos três órgãos do patrimônio histórico: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), órgão de âmbito estadual, e Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

A reinauguração do Museu está prevista para 2019. Durante a reconstrução, o seu acervo – o patrimônio imaterial da língua portuguesa – continuou sendo celebrado por meio de atividades culturais e educativas, como as realizadas na comemoração do Dia Internacional da Língua Portuguesa, no saguão da Estação da Luz, em maio; na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), em julho; Bienal Internacional do Livro, em agosto; Festival Que Bom Retiro, em outubro, e na Festa Literária das Periferias (Flup), em novembro, no Rio de Janeiro.
O custo total da reconstrução está estimado em R$ 65 milhões. O valor de investimento da iniciativa privada no projeto será de R$ 36 milhões. O restante vem da indenização do seguro contra incêndio.

O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura do Estado, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Tem como patrocinador máster a EDP, patrocinadores Grupo Globo e Grupo Itaú e apoio do Governo Federal, por meio da lei federal de incentivo à cultura. O IDBrasil é a organização social responsável pela gestão do Museu.

Construção sustentável – O Museu da Língua Portuguesa está focado na obtenção do selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) na categoria Silver. O LEED é uma certificação para construções sustentáveis, concebida e concedida pela Organização não governamental americana U.S. Green Building Council (USGBC). Entre as ações previstas, estão a redução do consumo de energia, coleta de água de chuva para irrigação, gestão de resíduos durante a obra e o já mencionado uso de madeira certificada.

Cerca de 85% da madeira utilizada no restauro ou reconstrução de mais de 300 esquadrias foram reaproveitadas do próprio edifício. A marcenaria instalada no primeiro andar e permitiu que o material parcialmente carbonizado – peroba do campo rosa e amarela – fosse restaurado e reutilizado por uma equipe de restauradores, auxiliares de restauro, mestres de carpintaria e mestres estucadores.

Novo site – Como parte das ações para manter viva a conexão entre o Museu da Língua Portuguesa e seu público durante o período de reconstrução lançou seu novo site (www.museudalinguaportuguesa.org.br), construído com a premissa de permitir a navegação de todos os públicos – com ou sem algum tipo de deficiência –, contando com recursos de acessibilidade digital. Nele, os usuários poderão acompanhar as novidades da reconstrução, relembrar o histórico do Museu e ter contato com entrevistas e artigos relacionados à língua portuguesa.

Confira aqui o histórico da reconstrução: http://museudalinguaportuguesa.org.br/reconstrucao/linha-do-tempo/
Sobre o Museu da Língua Portuguesa – Em 10 anos de funcionamento, o Museu recebeu cerca de 4 milhões de visitantes (319 mil destes em ações educativas). Primeiro do mundo totalmente dedicado a um idioma, trouxe ao país um novo conceito museográfico, que alia tecnologia e educação. Com uma narrativa audiovisual e ambientes imersivos, permitiu aos visitantes descobrir novos aspectos do idioma, elemento fundador da cultura do país. Foi eleito pelo Trip Advisor um dos três melhores museus do Brasil e da América Latina em 2015. Sua instalação na Estação da Luz é simbólica: foi ali o ponto de chegada de imigrantes de vários lugares do mundo, com diferentes idiomas e sotaques, no coração de São Paulo – maior cidade de falantes de português do mundo.

Translate »
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
 
O conteúdo do nosso site pode ser acessível em Libras usando o VLibras